Espaço Miguel Torga // Souto de Moura

Thursday, 4 February 2016

Sabrosa 01'16
Sabrosa 01'16
Sabrosa 01'16
Sabrosa 01'16
Sabrosa 01'16
Sabrosa 01'16
Sabrosa 01'16
[+]

PT
Depois da visita à Quinta do Portal, seguimos para S. Martinho de Anta, terra onde nasceu Adolfo Correia da Rocha, que havia mais tarde de assinar como Miguel Torga - um dos meus poetas portugueses favoritos.
Aqui Souto de Moura projectou o Espaço Miguel Torga, que desde 2012 alberga uma exposição dedicada à vida e obra do autor, entre outras exposições temporárias.
Expressivos muros de xisto emolduram um jogo de cheio e vazio que contrapõe o edifício ao espaço destinado alternadamente ao mercado e parque de estacionamento para visitantes.
O edifício, voltado sobretudo para o interior, abre-se para o exterior no espaço do café, onde os muros de xisto são interrompidos por um envidraçado voltado para o por-do-sol.
Vejo um muro de pedra duro, fechado e ligado à terra, mas intenso, expressivo e caloroso, como as palavras do poeta.

Princípio

Não tenho deuses. Vivo
Desamparado.
Sonhei deuses outrora,
Mas acordei.
Agora
Os acúleos são versos,
E tacteiam apenas
A ilusão de um suporte.
Mas a inércia da morte,
O descanso da vide na ramada
A contar primaveras uma a uma,
Também me não diz nada.
A paz possível é não ter nenhuma.

Miguel Torga, Penas do Purgatório, 1954

EN
After visiting Quinta do Portal, we went to S. Martinho de Anta, native village of Adolfo Correia da Rocha, who was to later sign as Miguel Torga - one of my favorite Portuguese poets.
Here Souto de Moura designed the Miguel Torga Space, which since 2012 houses an exhibition about the life and work of the author, among other temporary exhibitions.
Expressive schist walls frame a game of full vs empty that opposes the building to the free space that serves alternately the market and parking for visitors.
The building, designed towards the inside, opens to the outside in the cafeteria, where the schist walls are interrupted by a glassed facade facing the sunset.
I see a wall of stone: hard, closed and earthed, but intense, expressive and warm, like the words of the poet.

0 comments:

Post a Comment

Ana Pina | blog All rights reserved
© Blog Milk
Powered by Blogger

^