Arrival

2

Tuesday, 7 February 2017




If you could see your whole life from start to finish, would you change things?
Louise Banks, Arrival

PT
Sim, podemos passar praticamente todo o filme Arrival a imaginar a possibilidade da chegada à terra de vida extraterrestre, a avaliar qual seria o propósito e o resultado de um contacto, a admirar a importância da linguagem, as falhas que existem no modo como comunicamos e as suas terríveis consequências, a admitir que juntos somos mais fortes e que a visão global do mundo está mais do que nunca a precisar de uma revisão, a apreciar a imagem impecável, o admirável trabalho dos actores e a beleza da banda sonora... mas o que ficou, para mim, mais gravado na memória foram os últimos 10 minutos: aqueles em que percebemos que a vida vale a pena ser vivida se no momento em que olharmos para trás soubermos que não teríamos feito nada diferente - e o melhor é começar já e não deixar que as amarras do tempo (passado, presente, futuro) nos prendam.

EN
Yes, we can spend practically the entire film Arrival imagining the possibility of extraterrestrial life coming to earth, assessing the purpose and outcome of a contact, admiring the importance of language, the flaws that exist in the way we communicate and its terrible consequences, admitting that together we're stronger and that the global vision of the world is more than ever in need of a review, appreciating the flawless image, admirable performance of the actors and the beautiful soundtrack... but what lingers stronger in the memory, for me, are the last 10 minutes: those in which we realize that life is worth living if by the time we look back we know that we wouldn't have done anything different - and the best is to start now, not letting the chains of time (past, present, future) bind us.

Lisboa | MAAT

0

Tuesday, 31 January 2017

Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. MAAT 11. Central Tejo 12. O Mundo de Charles e Ray Eames [+]

PT
E desde que o MAAT foi inaugurado em Outubro que não há viagem a Lisboa que não passe por lá.
Esta não foi excepção e eram muitas as pessoas que, como nós, passeavam e paravam para admirar as belas curvas da fachada do aerodinâmico edifício contra as cores do Tejo.
No interior do edifício projectado por Amanda Levete Architects apenas a galeria oval estava aberta, mas depois de ver o pôr-do-sol nos degraus enquadrados pelo padrão de azulejos que parecem querer rivalizar com o brilho espelhado do nosso Terminal de Cruzeiros, ainda valeu a pena ficar a conhecer a Central Tejo e a exposição sobre o duo maravilha Charles e Ray Eames.

Mais sobre a ida a Lisboa aqui.

EN
And since MAAT was inaugurated in October there is no trip to Lisbon that misses a stop here.
This was no exception and there were many people who, like us, strolled and stopped to admire the beautiful curves of the facade of the aerodynamic building against the colors of Tagus river.
Inside the building designed by Amanda Levete Architects only the oval gallery was open, but after seeing the sunset on the steps framed by the pattern of tiles that seem to rival the mirrored glow of our Cruise Terminal, it was still worth the visit to Central Tejo and the exhibition about the wonder duo Charles and Ray Eames.

More about the trip to Lisbon here.

Lisboa

0

Wednesday, 18 January 2017

Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
Lisboa 11'16
1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Terraços do Carmo / Elevador de Santa Justa  8. Miradouro de São Pedro de Alcântara 9. 10. 11. 12. 13. Arco da Rua Augusta 14. Chiado [+]

PT
A última ida a Lisboa foi já no início de Novembro passado. Desde aí uma lista de tarefas sem fim, eventos, festas e celebrações tem-se sobreposto à vontade de partilhar finalmente as fotos da viagem!

Foi uma viagem em trabalho, mas quando gostamos do que fazemos as viagens de trabalho são também um prazer.
O pretexto inicial da visita foi a intervenção na loja re_mind, um espaço muito simpático na Lx Factory onde podem ver ao vivo uma selecção do meu trabalho de joalharia, mas um ou dois dias passaram a quatro e daí até se tornar numa espécie de visita de estudo para conhecer sítios novos e inspiradores foi um passo!
Começando pela própria LX Factory, carregada de cafés e lojas que valem a pena a visita, passando por zonas que ainda não conhecia, como o Príncipe Real, o Miradouro de São Pedro de Alcântara e a marginal até à Fundação Champalimaud, até chegar a outras de passagem obrigatória, mas agora com novos motivos para uma paragem: os Terraços do Carmo (a intervenção de Siza que vem finalmente terminar o que foi começado com a reabilitação do Chiado) ou o Arco da Rua Augusta, que agora pude subir.

Foi também altura de finalmente visitar galerias e espaços de trabalho fantásticos dedicados à joalharia: o atelier da querida Tânia Gil, o do Valentim Quaresma, as Galerias Reverso e Tereza Seabra, a Padaria 24... reencontrar amigos e colegas, como o Carlos Silva (obrigada pela visita guiada!) ou a minha querida Joana Mota Capitão - e ainda ficar a conhecer a Sandra do Colectivo 71.86.

Mas nem só a joalharia me inspira, por isso reservei ainda tempo para a minha paixão arquitectónica: espreitar as curvas do MAAT, visitar o Museu dos Coches e o Atelier-Museu Júlio Pomar... mas sobre estes três espaços falarei mais tarde!
Por hoje: algumas fotos das cores do céu de Lisboa e um passeio pelo Chiado.

EN
The last trip to Lisbon was already in early November. Since then a list of endless tasks, events, parties and celebrations has prevented me to finally share the photos of the trip!

The mainly reason for the trip was work, but when we enjoy what we do, work trips are also a pleasure.
The initial pretext of the visit was the intervention in the store re_mind, a very nice space in Lx Factory where you can see a selection of my jewelry live, but one or two days turned to four and from there until it became a kind of study visit to get to know new and inspiring places was a step!
Beginning with LX Factory itself, full of cafes and shops that are worth the visit, passing through areas that I didn't know very well, such as Príncipe Real, Miradouro de São Pedro de Alcântara and the riverside until reaching Champalimaud Foundation, and other mandatory and well-known places, but now with new reasons for a stop: Terraços do Carmo (the intervention of Siza that finally concludes the project of rehabilitation of Chiado) or the Arco da Rua Augusta, that now I could climb to the top.

It was also time to finally visit galleries and fantastic workspaces dedicated to jewelry: the studio of dear Tânia Gil, of Valentim Quaresma, Galleries Reverso and Tereza Seabra, Padaria 24... to be with some friends and colleagues, like Carlos Silva (thank you for the guided tour!) or my dear Joana Mota Capitão - and even meeting Sandra from Colectivo 71.86.

But not only the jewelry inspires me, so I still reserved some time for my architectural passion: admiring the curves of MAAT, visiting Museu dos Coches and Atelier-Museu Júlio Pomar... but I'll show you more about these three spaces later!
For today: some photos of the sky colors of Lisbon and a walk through Chiado.

#9

0

Friday, 13 January 2017

Porquê sentir falta de quem não podemos ter?
A saudade – disseste – existe apenas dentro de nós. Lá fora, a vida acontece em paralelo a tudo o que poderia ter acontecido. Não sentimos saudade realmente do que vivemos, mas do que poderíamos viver agora se a paixão não tivesse sido substituída pelo vazio. Sentirmos saudade de quem nunca poderíamos ter sido é sofrer inutilmente, como se o que vivemos agora não existisse.
- Eu sei – mas foi por ti que a saudade existe dentro de mim.
- Mata-a. E deixa-me morrer com ela.

2016.10.26 [Fragmentos de um Todo Incompleto]

Jesus Cristo Bebia Cerveja // Afonso Cruz

0

Monday, 9 January 2017



A natureza abomina o vazio, ou dito numa língua morta: natura abhorret vacuum. Mas que ele existe, existe. Parece que o Nada, a existir, deixa de ser Nada para ser alguma coisa. A natureza não gosta de espaços vazios e preenche-os como um burocrata preenche requerimentos. Não deixa buracos em lado nenhum. Mesmo os lugares mais rarefeitos, como o espaço sideral e a estupidez humana, são preenchidos por alguma coisa: luz, metais leves, preconceitos, partículas e subpartículas dos átomos, radiações, chavões e telenovelas. A natureza enche chouriços, não há espaço vazio nas suas tripas. Um homem olha à sua volta e não encontra nada que não esteja já ocupado. Assim pensam os homens com a razão e a lógica que se passeia nos interstícios dos seus cérebros cinzentos, nessas dobras confusas que se assemelham a um intestino redondo ou a uma noz. Mas os homens que pensam com os sentimentos, têm outra lógica a nadar-lhes nas veias e artérias. Esses acreditam no vazio porque o vêem a toda a hora dentro de si.

Afonso Cruz, Jesus Cristo Bebia Cerveja, p. 138

PT
Afonso Cruz leva-nos sempre para um mundo demasiado surreal para ser verdadeiro e talvez demasiado realista para ser sonho.
Ali encontramos motivos para rir e para chorar, motivos para reflectir sobre a inevitável tristeza da vida e para acreditar que é possível encontrar a felicidade onde menos se espera.

Jesus Cristo Bebia Cerveja multiplica personagens que acabam por encontrar-se num enredo de ilusão, ironia, decadência e morte, mas também de ternura, humor e humanidade.
Um sem fim de maravilhosas citações que apetece guardar e reler várias vezes - tendo em conta que o livro que li é emprestado, resta a vontade e a certeza de voltar a encontrar Afonso Cruz noutras leituras!

EN
Afonso Cruz always takes us to a world too surreal to be true and perhaps too realistic to be a dream.
In here you'll find reasons to laugh and cry, to reflect on the inevitable sadness of life and to believe that it is possible to find happiness where you least expect it.

Jesus Cristo Bebia Cerveja [Jesus Christ Drank Beer] multiplies characters that end up meeting in a plot of illusion, irony, decay and death, but also of tenderness, humor and humanity.
An endless number of wonderful quotations that you want to keep and re-read often - taking into account that the book I read was borrowed, there remains the will and the certainty of finding Afonso Cruz again in other readings.

Ana Pina | blog All rights reserved
© Blog Milk
Powered by Blogger

^